Até o sol apareceu  para incentivar os mais de 40 alunos que participaram do Festival Local de Ciclismo promovido pelo Programa de Esportes e Atividades Motoras Adaptadas (Peama),  nesta quarta-feira (28), no Parque da Cidade. No entanto, além de incentivar a prática esportiva, o evento teve um objetivo ainda maior, segundo lembra a coordenadora do Peama, Denise Neves. “O ciclismo é uma modalidade que não consta na fase estadual da Special Olympics. Então, aqui estamos querendo promover a prática da modalidade e, quem sabe, sua inclusão na competição”, espera.

O Festival de Ciclismo reuniu alunos com diferentes deficiências, sendo intelectual, auditiva, física e vocal. As provas foram realizadas de acordo com o nível técnicos dos participantes. “A ideia é permitir que a disputa das provas seja saudável”. Todos os resultados das provas constam em um banco de dados que será encaminhado para o comitê da Special Olympics.

Entre tantas pedaladas feitas com esforço, Marinella Locardi Amaral da Cunha é um exemplo de superação. Ingressou no Peama há três anos, quando foi atropelada em São Paulo e perdeu uma das pernas. “Eu sempre fui adepta da atividade física e se não tivesse conhecido o trabalho desenvolvido pelo Peama não saberia que, apesar da minha deficiência, posso praticar esporte como qualquer outra pessoa, apesar das minhas limitações”, declara.

Marinella encontrou no Peama o motivo de continuar a prática do esporte

Para Marinella que competiu com uma bicicleta comum, contendo apenas uma adaptação no pedal, a maior vitória foi conseguir cruzar a linha de chegada. “Ao participar destes eventos esportivos é que eu percebo o quanto a minha deficiência não é nada perto de tantas outras apresentadas pelos alunos do Peama”, reconhece.Peama