Com mais este adiamento, o terceiro seguido, as opiniões continuam se dividindo e dando razão aos que duvidam da realização da temporada este ano.

O disse-me-disse na beira do gramado continua firme durante os encontros amistosos em que os times se aprontavam, se aprontavam!

Agora, já na antevéspera da rodada, logística começando a ser montada para domingo, se obrigam os dirigentes dos 17 times da Série A e dos mais de 40 da Série B a avisar a todo mundo que não tem jogo outra vez.

Aí, começam a conversar dirigente com dirigente, jogador com jogador, o que não é nada bom, não surge nenhuma conversa solidária ou positiva sobre a organização do campeonato, o que é muito ruim, aumenta o descrédito.

Não é assunto de que gostamos de falar, preferimos falar de bola rolando, de futebol nas quatro linhas, é também o que querem os times.

Mas que fique claro ser prerrogativa da Liga expor seus motivos, quando lhe convier, e justificar a quem de direito, creiam ou não na veracidade dos argumentos, mas é preciso respeitar.

Mas do ponto de vista estratégico, valeria a pena à Liga bancar essa rodada, realizar os jogos e depois fazer algum tipo de reunião e trazer os times para seu lado e abafar as discussões descontroladas por mais um adiamento.

Aliás, esses dois meses de atraso em relação à média de início dos campeonatos, pondo em cheque o término em tempo hábil a temporada deste ano.

Já tivemos a desistência do Atecubanos e corre que outros poderiam seguir o mesmo caminho.

Ao que parece, as mudanças na entidade que visavam devolver a credibilidade administrativa, não estão acontecendo, mas se trata de entidade privada, e cabe somente a ela realizar, prover, arrecadar. E justificar.

Creiam ou não.


JOSÉ REGINALDO MATIAS DE SOUZA é economista e presidente do Clube Atlético Aliança. Durante cinco anos, manteve a coluna ‘Papo de Várzea’ no extinto jornal Bom Dia.