Cadê o Vila Marlene?

Neste último domingo, a expectativa da segunda rodada era pela estreia do atual campeão do amador de Jundiaí, Vila Marlene, que nos amistosos reservou-se, com elenco definido e de qualidade, segundo fontes do time, e isso aumentava a curiosidade de todos pelo que apresentariam contra o Unidos Tulipas, no Aramis Polli.

Mas o que veio foi o comunicado de que por razões de logística (?) o time não teria como comparecer, no clássico W.O., perfeitamente possível.

Mas, ok que são razões internas, mas não parece estranho? Justo eles, os supercampeões? De orçamento largo e farto, não pôr em campo nem 11 jogadores dentre os muitos que puderam ser inscritos? Isso só aumenta a falação da concorrência querendo que ferrem os caras, o que não vai acontecer se, internamente, eles se reorganizarem.

Mas foi o fiasco da rodada, a bola murcha.

Não interessa especular nada, são razões do filiado e da entidade organizadora, deixa pra lá, que resolvam.

Afora isso, como se previsto, de 6 líderes na primeira rodada, já baixamos para 4, no que começa a separar os homens dos meninos, com liderança do Palmeiras do Medeiros, Fut Rap da Vila Ana e Cruzeiro da Vila Maringá.

A Ponte Preta perdeu de virada para um novato, Tijuco, foi surpresa, mas as coisas não fogem do controle do técnico pontepretano, que tem as rédeas nas mãos, o Rodrigo conhece bem onde pisa.

Outro favorito, Estrela da Ponte, perdeu do Cruzeiro Maringá, num resultado que pode ser considerado normal.

Resultados:

Fundão 0x1 Real 12
GR2 1×0 Jamaica
Águia Negra 1×2 Palmeiras
Estrela da Ponte 0x1 Cruzeiro Maringá
14 de Dezembro 1×3 Fut Rap
Unidos Tulipas 3×0 Vila Marlene (administrativo)
Tijuco 2×1 Ponte Preta


JOSÉ REGINALDO MATIAS DE SOUZA é economista e presidente do Clube Atlético Aliança. Durante cinco anos, manteve a coluna ‘Papo de Várzea’ no extinto jornal Bom Dia.