Paintball busca difusão do esporte e trabalha em causas sociais

Caveiras Paintball disputa o Paulista da modalidade. Foto: Lucas Alves

Aliviar o estresse, ter bom preparo físico e despertar conceitos como dinâmica, estratégia, comunicação e trabalho em equipe. Tudo isso você consegue praticando o paintball. A modalidade, embora pouco conhecida em Jundiaí, tem bastante praticantes e conta com uma equipe, Caveiras Paintball, disputando o Campeonato Paulista da modalidade.

“O esporte necessita de divulgação até para acabar com o preconceito que a modalidade sofre, dizendo que é violento. É um dos esportes que mais cresce e um dia vai virar olímpico. No paintball, trabalharmos fatores importantes como união estratégia e treinamento. É um esporte que ninguém faz nada sozinho, sempre precisando da ajuda de outra pessoa para conquistar seu objetivo. Nossa luta é pela divulgação”, diz o capitão da equipe Caveiras Paintball e diretor regional da Fpesp (Federação de Paintball do Estado de São Paulo), Rafael Lourenço, de 24 anos.

Paintball busca divulgação para crescer cada vez mais. Foto: Alessandro Rosman

O Caveiras Paintball, que conta com 65 participantes, é a única equipe da cidade que disputa o Paulista da modalidade e está na 4º colocação geral. A competição tem três etapas e a equipe jundiaiense disputa a segunda etapa no dia 28 em Guarulhos.

“Queremos conquistar o Paulista, dá tempo ainda. Somos uma equipe nova (tem quatro anos) e nosso objetivo é disputar o Brasileiro um dia”, afirma.

A equipe disputa o Paulista na categoria amadora. Se ficar entre os dois primeiros, sobe para a elite. Para chegar ao Brasileiro, tem que ficar entre os sete primeiros da elite. “Comecei jogar como uma brincadeira e agora o negócio ficou sério. Estamos nos fortalecendo para conquistar mais coisas, além do trabalho que realizo com a Federação Paulista”, diz Rafael.

Rafael Lourenço (primeiro) é o capitão do Caveiras. Foto: Lucas Alves

Ação social

A equipe Caveiras Paintball se destaca  também pelo trabalho fora do esporte. Eles fazem constantemente trabalhos sociais. São a única equipe a desfilar no sete de setembro, já realizaram campanhas de arrecadação e alimentos e agasalhos para o Fundo Social da Cidade e também dão palestras em escolas. “Nestas palestras, passamos que o paintball é o esporte radical mais seguro e também divulgamos toda a filosofia do esporte”, conta.

Rafael Lourenço tem um campo de paintball o Paintball Jundiaí – que fica Avenida Jundiaí, 1500 – e neste local ele realiza um projeto social para crianças e jovens carentes de 9 a 17 anos, das 8h às 9h30. “Fazemos um trabalho com autorização dos pais, acompanhamos as notas nas escolas e apresentamos a modalidade para eles. È um trabalho bem gratificante”, afirma ele, que jogava futebol e praticava o Hapkido antes de se dedicar ao Paintball.