Sergio Caetano voltou ao clube para dirigir o time Sub-20 e iniciar a preparação para a quarta divisão de 2018. Foto: Gustavo Amorim/Torcida Jundiaí

Em grave crise financeira, amargando um rebaixamento atrás do outro – foram sete nos últimos dez anos – o Paulista procura um norte para tentar se reerguer.

O golpe sofrido neste ano foi duro. Com uma excelente campanha na Copa São Paulo de Futebol Júnior, o Paulista conseguiu resgatar o amor do jundiaiense, que voltou a lotar o estádio Jayme Cintra. Mas a classificação para a final da Copinha acabou em pesadelo, depois que foi revelada a adulteração dos documentos do zagueiro Helton Matheus.

O jogador usava o nome Brendon Matheus Lima dos Santos e foi denunciado pelo Batatais, derrotado pelo Paulista na semifinal.

O Tribunal de Justiça Desportiva da FPF puniu o Galo com a exclusão do torneio. Na final, o Corinthians venceu o Batatais por 2 a 1.

Na Série A-3, só decepção. Depois de ser comandado por três técnicos – Carlinhos Alves, Umberto Louzer e Sergio Caetano – acabou rebaixado para a quarta divisão do Campeonato Paulista. O Galo chegou ao fundo do poço.

Em março, mais uma bomba: o estádio Jayme Cintra foi a leilão, por determinação do juiz da 3ª Vara Trabalhista de Jundiaí, Jorge Luiz Souto Maior. O que provocou a decisão foram 19 processos em fase de execução, quando já existe a condenação mas o devedor não cumpre a decisão judicial. Ao todo, a dívida com essas 19 ações gira em torno de R$ 1,4 milhão. O leilão aconteceu no dia 27 de abril e terminou sem comprador.

Somente com campeonatos de categoria de base para disputar, já que vai ficar um ano sem futebol profissional, o Paulista aposta suas fichas no Campeonato Paulista Sub-20 para montar o alicerce para o ano que vem. O início na competição, contudo, não é animador. Com derrotas nos dois primeiros jogos, o técnico Ricardo Belli foi demitido, repetindo a falta de planejamento visto na Série A-3.

Sergio Caetano foi anunciado nesta terça-feira para comandar a categoria e montar a base do ano que vem. Apesar do rebaixamento para A-3, o trabalho do treinador, que chegou com o campeonato em andamento, teve seus pontos positivos – somou 20 dos 23 pontos feitos pelo clube. Assim, seu retorno é um alento e uma esperança para que o clube entre nos trilhos.