Depois de colecionar títulos no Brasil e até em Portugal, Andrezinho agora vislumbra a chance de levantar uma taça no Equador. Ele embarca nesta quinta-feira rumo a Ambato, cidadezinha a 160km de Quito, para defender o Atletico Galapagos no quadrangular final da Liga Equatoriana de Futsal.

O convite foi feito por Pablo Poveda, jogador da seleção equatoriana, que esteve em Jundiaí com alunos da escolinha que mantém no Equador.

“A gente se conheceu em 2015, quando ele veio na escolinha do Erasto, no Nova Odessa, onde sou professor”, conta Andrezinho.

Além das três partidas que disputará pelo Galapagos, Andrezinho vai dar aulas de futsal durante os 18 dias em que vai ficar no Equador. Uma clínica para treinadores também está programada. “Será uma experiência muito boa. Ainda não tenho formação em Educação Física, mas tenho 18 anos de profissionalismo no futsal e muita coisa pra passar pra eles”, comenta.

Fora da estreia

Disputar as finais no Equador provavelmente fará Andrezinho perder o início da Copa Lance Livre. Ele é jogador e um dos idealizadores do DNA, time formado por grandes nomes do futsal jundiaiense, como Julio Romanini, Michelzinho e Leandro Esquerdinha.

“O time foi ideia minha e do Alê (ex-técnico do Sub-20 do Palmeiras e do Paulista). Não é um time remunerado, é um time de amigos mesmo”.